quinta-feira, 24 de junho de 2010

São Paulo, 11 de março de 2006


A Paz do Senhor Jesus Cristo!

Olá, com muito prazer retomamos a caminhada de retorno para as origens seguindo as referências diárias, através da Fé que recebemos quando pedimos para o Criador de todo o universo que nos ajude a ser o menor, e assim desprovidos de qualquer preconceito aprendemos a ouvir a voz de Deus. Mas como sabemos que é Deus, e como vamos crer que ele realmente exista?

Observe a sua vida e veja quantas perguntas há dentro de você sem respostas, e quanto mais você vive, mais elas aumentam, e quantas respostas de suas perguntas não lhe acrescentaram a convicção de que você tenha acertado na essência da sabedoria, ou você acha normal ser tudo assim tão incompleto?

Agora vou substituir a palavra "perguntas" por "emoções". Ficou mais complicado não é mesmo? Ou seja, quantos sentimentos entram e saem de você sem que você possa dominar?
 
Diante deste quadro de querer respostas e guardar sentimentos puros, está o primeiro sinal de onde viemos e para onde queremos ir. Ou seja, a nossa estrutura já é formada para gerar movimento, pois ela possui um mecanismo chamado carência. Reflita agora com bastante calma e medite naquilo que você mais deseja, pois neste sentimento está origem de todo o teu ser. Tenho certeza que no fundo do seu coração você busca uma situação que lhe dê Paz, não é mesmo?

Será que essa Paz vamos encontrar quando entendermos tudo ou quando não precisarmos entender para poder confiar? A verdadeira Paz está em dominá-la ou viver com ela, você quer o poder para ter uma gaiola e prender um pássaro que te alegre ou o privilegio de desfrutar de sua companhia apenas por ela gostar de você? Você quer viver a vida para dominá-la ou você reconhece que a vida é maior que a sua capacidade de entendê-la?

Se reconhecermos que a vida não é para ser entendida, mas para ser sentida, então descobrimos que o primeiro passo para a Paz é a busca dos valores nobres e quando se fala de nobreza sentida, codificamos como Amor de Renuncia, e quando falamos de Amor, estamos falando de sensibilidade, e quando falamos de Renuncia, estamos falando de liberdade e não sentimentos egoístas, passionais e possessivos. Portanto, Paz é uma pomba branca solta que fica ao seu lado apenas porque gosta de você, se quisermos prendê-la perdemos todo o significado da essência da Paz, que é a fé no Amor de Deus.

Para quebrar a demagogia da carência, vamos exercitar o poder da Fé, limpando o coração de preconceitos pedimos a Deus que nos ajude a sentir o seu Amor, esperamos na Paz, depois pedimos que ele nos ajude a ser gratos, e assim saindo da inteligência humana (gaiola), entramos na inteligência de Deus (Amor) onde encontramos a Paz que ele nos dá, assim o que parecia um manual de auto-ajuda se transforma em unção para a Vida Eterna.

Até mais meu irmão(a).
Fique com Deus, e Ele vai lhe apresentar Jesus Cristo, e assim você vai sentir o Espírito Santo!
A Paz do Senhor!
Sérgio

São Paulo, 5 de março de 2006.


A Paz de nosso senhor Jesus Cristo!

Recordando algumas etapas, vamos fazer um pequeno resumo para organizar as informações e continuar se aprofundando neste Universo Espiritual.

- Filadélfia, Apocalipse 3.10: "Como guardastes a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam a terra”.

Gostaria agora de apresentar alguns pontos sobre este versículo:

Vivemos hoje numa sociedade capitalista de concorrências e consumos, onde riqueza esta indexada a um instrumento chamado "dinheiro". Este processo a luta para ser o melhor torna-se uma obsessão doentia de um circulo vicioso de buscar a cada dia informações, para se manter dentro de uma sociedade e desenvolver formulas para "ganhar e guardar dinheiro", numa realidade de trocas onde as hipocrisias de se manter as aparências de boas relações, estão concentradas em valores que priorizam a união para se ter mais poder de dominar o controle financeiro. Ou seja, o sistema capitalista atual estimula a concorrência, velocidade de informações e aumento das rotações comerciais, conseqüentemente o poder fica facilmente dominado por sistemas e organizações financeiras. Nesta corrida por quantidade encontramos o homem tomando sedativos diários (trabalha, estuda, namora, passeia,  casa, fabrica filhos, separa, etc...) apenas para ocultar sua depressão (insegurança de não saber quem é, de onde veio e para onde vai), por isso o ser humano atual se assemelha a um adolescente dirigindo um automóvel em via publica sem respeitar a velocidade, a distancia do carro a sua frente, os faróis vermelhos, as condições do tempo, etc... a sua única preocupação está em chegar primeiro. Criou-se um sistema de muitas ambições, mas subestimaram a necessidade se valorizar os freios. Os resultados são constantes acidentes (corrupção, guerras, injustiças sociais, falências de valores, etc...).

Mas apesar da irresponsabilidade humana, existe uma maturidade universal que recicla toda essa enfermidade coletiva chamada: consumismo sem discernimento vocacional, essa sabedoria que detém todo o poder, monitora cada situação dividindo com justiça a parte do menor, por isso os últimos serão os primeiros.

Vamos agora meditar num ponto crucial da injustiça capitalista, "má distribuição de rendas".
A origem desta deformação esta concentrada na distorção da relação Capital-Trabalho, ou seja, o dinheiro compra o trabalho gerando uma concorrência de subempregos e supervalorização do capital.

Observemos alguns exemplos:

Numa certa família tudo era perfeito até que um dia o pai pediu para o filho lavar seu carro, como sempre, ele fazia isso com satisfação, entretanto devido a amizades externas que o convidavam para diversões onde havia a necessidade de dinheiro, ele resolveu cobrar por aquele simples ato de lavar um carro da família. O pai indignado aguardou o momento da refeição para da mesma forma cobrar pelo alimento que consumia. E assim quebrou-se um elo chamado união de respeito e amor, e plantou-se um sentimento egoísta de ter dinheiro para comprar a própria família. Essa supervalorização deste agente invasor criou-se essa síndrome de sexo de consumo e filhos como instrumentos para suprir as carências pessoais. Numa sociedade onde a base é corrupta toda visão de justiça se torna passional.

Como a visão justa é aquela que prioriza o menor, vamos entrar no coração de uma criança e com os seus olhos e com a sua cabeça, discernir suas prioridades.

- viver numa família completa (Pai, Mãe, Irmãos);
- que haja alegria na convivência apesar das diferenças, e o prazer de participar de planos coletivos;
- nas trocas solidárias descobre-se a fartura de riquezas;
- a gratidão pela paz na criação e na emancipação;
- sentir o prazer de fazer tudo bem feito, pela abundancia do amor mutuo;
- conviver com a prosperidade sem pressa;
- compartilhar com a alegria de poder praticar a caridade.

Agora vamos vislumbrar um sistema neo-capitalista cuja base se concentra em fazer da família uma empresa compacta que detenha os três ciclos do sistema comercial: Produção, Criação, Liquidez, mas indexado ao sistema coletivo para atualização e convivência social sem perder sua unidade de criação de Amor. Neste processo quebra-se o stress da prosperidade e se prioriza a luta pela manutenção da conivência sadia fazendo do sistema de trocas apenas referencias para convivências não necessitando de valores externos para a preservação da paz interna.

Neste estagio as lideranças familiares desempenhariam um papel fundamental para preservação e integração nos lares (empresas) daqueles que estão á parte do sistema (órfãos, viúvas, desamparados), haveria a necessidade de criação de escolas com know-how consignado, o aluno pagaria somente depois de efetivamente ter lucro com as informações recebidas, seria em forma de gratidão e não de obrigações, teria quatro frentes ancoras: Administração financeira, Natação, Línguas, Musica, desta forma se concentraria todo o esforço para construção de caráter gerado no berço da criança (leite materno) não deixando que sistemas macro sociais usem sua força para dividir, mas para reciclar os valores no lar preservando sua unidade e integração, impedindo atravessadores no circulo completo do produto gerado.

Haveria uma impossibilidade de vínculos empregatícios, conseqüentemente gera-se uma situação de limitador de prosperidade concentrada, o que permitiria o acesso a muitas famílias, onde o sistema de sobrevivência estaria concentrado nas trocas de produtos familiares. Haveria o combate direto de alguns itens supérfluos, ostentação (quando se trabalha em casa não há necessidade de roupas de grife), tempo com transporte (melhora no sistema coletivo de movimentação), fortalecimento das linguagens internas (os membros da família acabam se conhecendo melhor), condições propicias para busca de valores espirituais, liberdade para movimentações (o produto depende da família, não do local de venda, oferta menor que a procura), nesta rotação mais lenta do consumo, diminui-se os riscos de acidentes (relações humanas carentes), manteria um ritmo mais adequado para a qualidade de vida equilibrada, (pessoal, família, sociedade), propiciaria condições para aprender com a Vida, e não querer ensiná-la.

Apesar de parecer complexo e utópico, descansamos na certeza de que se este projeto provém de Deus, nada poderá impedi-lo, apenas contemplamos sua execução, aumentando a fé e aprendendo novas técnicas de ser mais útil para nós mesmos e para o próximo.

Até mais, fique com Deus!
Sérgio Higa

terça-feira, 22 de junho de 2010

São Paulo, 4 de março de 2006


A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Olá prezado amigo(a), com muito prazer continuamos navegando contigo nesta viagem sobre as águas em direção à Fonte d'Água Viva, fluindo sem peso mas na distancia exata do equilíbrio entre a Fé e a Razão.

Gostaria de enfatizar neste momento a palavra "Missões".

Vamos vislumbrar uma central inteligente, que monitora cada segundo o ambiente na Terra, em todas as proporções, individuais e coletivas, nas três dimensões do tempo, passado, presente, futuro. Ela tem poderes totais sobre o sistema, pois todo o manual de criação, animal, vegetal, mineral, espiritual, esta em suas mãos. Segredos que a capacidade humana nunca poderia entender por isso a perfeição da criação que mantém nas "injustiças" uma carência para movimentar os fatos e assim tomamos diariamente um banho para limpar nosso "ego" e fazer descansar na dependência da visão e do poder da central de comando.

Neste cordão umbilical, esta toda a vitamina insubstituível chamado "Amor de Deus", leite materno puro, que nenhum laboratório terrestre conseguiria produzir, esta é a referencia de que a maturidade não será conseguida através da psicologia humana, mas sim, na pureza de sua sensibilidade.

A entrada na dimensão espiritual, traz respostas do plano material, ou seja,quando olhamos para uma pessoa e tiramos conclusões a seu respeito, estamos usando somente o lado direito de nosso cérebro (analítico), após conversar com a mesma, muitas informações se acrescentam, usamos o lado esquerdo do cérebro (sensitivo). Falta agora usar o lado interno do cérebro (coração) para perguntar como organizar estas informações e qual o propósito destas visões (oração). Após entregar esta carta pela fé, esperamos com o coração aberto sentir a visão da resposta.

Neste processo, vamos adquirindo discernimento sobre terceiros, ou seja, percebemos com rapidez nos julgamentos que recebemos, o estagio da visão em que a pessoa se encontra. Por outro lado, observamos, nas reações das pessoas que já tem a visão espiritual, se a mesma provem da fonte de Luz (Deus) ou das trevas (Satanás). Os nossos cinco sentidos ofertados para a fonte verdadeira, produzem milagres para aumentar a fé no Amor de Jesus, ao passo que quando ela é ofertada para a fonte falsa gera um desejo de querer competir com o Amor de Jesus, (Judas). Portanto a entrada no mundo espiritual precisa estar vinculada na consciência de nossas fraquezas e na dependência do caráter de Deus.

Por isso, muitos males no plano material provem de forças espirituais malignas mais fortes que nossos cinco sentidos, para combatê-las é preciso estar em constante alerta com a nossa consciência interior para buscar na pureza das crianças a referencia para na fonte verdadeira buscar a presença do Espírito Santo. Somente vencemos uma batalha espiritual, com a presença do Poder de Deus (o Pai, o Filho e o Espírito Santo). Nesta unidade Trina, se concentra Todo o poder, O Amor do Pai para com o Filho, O Amor do Filho para com o Pai, gerando O Espírito Santo.

Aqui encontramos a primeira grande resposta sobre a família, a sua importância como fonte geradora do leite materno e o processo de emancipação para a integração no Corpo Espiritual correto. Nesta visão espiritual, constrói-se um canal de consultas e curas das enfermidades físicas e espirituais. Conforme nos aprofundamos neste universo de orações, encontramos a arma mais poderosa no combate em todas as situações: "O PODER NO NOME DE JESUS CRISTO".

Não gostaria de relacionar essa caminhada com religião, mas sim a convicção depois de muitas experiências pessoais de que só há um caminho que leva o homem para paz que ele tanto busca. A resposta para todas as suas perguntas esta neste nome poderoso: "JESUS CRISTO".

Esta não é uma fé de fuga, ou de auto afirmação, mas uma Fé recebida direto de DEUS, pois ela transformou toda a forma de visão que antes possuía, dando autoridade para comandar os cinco sentidos naturais (olfato, paladar, tato, audição, visão). Para ter basta pedir com sinceridade, e esperar com fé. Depois peça para mostrar como agradecer, e assim de "valor em valor" crescemos em gratidão para louvar o nome do Senhor, através de suas obras em nossas vidas.

Ate mais
Fique com Deus!

São Paulo, 3 de março de 2006.

A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Prosseguindo nesta caminhada, virando cada página da vida com a sensibilidade voltada para a fraqueza de não saber entender, buscamos a força de sentir cada informação, na dependência da caminhada do mestre em nosso corpo espiritual para evoluir nas metáforas das informações, deixando que o Espírito Santo revele a cada dia a missão a cumprir.

Verificamos que tudo é muito mais real do que a própria vida material, pois ela se materializa de forma concreta dentro de nós como uma substância sólida e palpável, gerando as obras pela fé. Estamos aqui falando sobre a voz de Deus em nossos corações.
Neste processo de decodificar este tesouro, aprendemos detalhes interessantes na pluralidade do poder da palavra.

Avançando de forma mais objetiva, vamos observar de forma panorâmica este dom chamado "Vida".

- O primeiro plano possui comandos simples guiados pelos cinco sentidos (cinco pães, cinco dedos): olfato, paladar, tato, audição, visão. Através destes cinco comandos gera-se uma seqüência de combinações, casamentos (dois peixes, duas mãos), famílias, sociedades, empresas. Buscando sempre acomodar melhor estes cinco sentidos, como a visão é ainda horizontal (materialista), a conseqüência é o egocentrismo gerando o egoísmo e a idolatria do Sexo, do Poder, e do Dinheiro.

- O segundo plano vem após a descoberta de que esses vetores guiados pela inteligência humana são incapazes de satisfazer um corpo interior chamado "Emoções", gerando uma série de carências mal resolvidas, envolvidas numa órbita de consumismo de baixa qualidade, criando atitudes de hipocrisia, com casamentos falidos e sociedades corruptas. Na consciência desta cegueira de organizar estes cinco vetores, começando a trilhar uma rota (Reis Magos) para conhecer melhor a nossa aparência interior, não através do que pensamos, ou do que outros pensam de nós, mas através da sabedoria que nos gerou. A estrela de referencia é a carência do "Amor Puro, que deflagre o perdão", nesta sede de justiça e sensibilidade conscientes de que os problemas estão dentro de nós mesmos e que todos temos uma responsabilidade individual, por não ofertar algo útil para um contexto coletivo, partimos para um deserto interior para ser cobaia de nossos valores. Se conseguirmos extrair desta situação uma "Paz" duradoura e permanente, então estamos começando a ouvir a voz de Deus.

- O terceiro plano é conseqüência da entrega dos cinco primeiros sentidos neste hospital espiritual chamado "Fé em Deus" e após um período de convalescença (cirurgia do coração, limpeza das magoas, encontro com Jesus) recebemos os "Dons do Espírito", com propósitos definidos de libertação dos valores materiais (egocentrismo).

- O quarto plano se resume numa viagem como espectador, observando a paisagem protegido por situações de impotência (Barquinho no Oceano, Ovelha no meio de Lobos, David contra Golias), impulsionado apenas pela afinidade de valores (Busca do Espírito Santo). Neste período conhecemos a "Jerusalém Celestial" (sentimento de gratidão).

- O quinto plano é formado por processo de renuncias, preparando a família e amigos para partir "Pela Fé", começa-se a luta para ser o menor, pois a porta da nave é estreita e não tem lugar para bagagens (Morrer na carne para viver em Cristo), estar pronto para seguir buscando nas reconciliações o perdão mutuo (a ninguém deveis nada a não ser o amor de Cristo).

- O sexto plano se concentra apenas num objetivo "Missões", (Soldado de Cristo) ter destreza no combate (Conhecer a palavra de Deus - Bíblia- Apocalipse, 3-7, Sexta carta, à igreja de Filadélfia) estar capacitado para a missão (receber aval de Deus no coração), pedir direção para mostrar a Igreja na Terra onde congregar, esperar as revelações e pedir a Deus de forma pessoal e particular as confirmações, então ofertar tudo (Corpo, Alma, Espírito) no combate (morrer na batalha é o sonho de todo grande soldado), ser apenas adorador, anjo sem nome, deixar apenas “O Amor de Cristo" escrito em obras no coração do próximo.

- O sétimo é formado por uma poltrona confortável, ouvindo uma melodia agradável, respirando um ar puro que enche a alma e assim abandonamos nosso corpo físico e retornamos para um paraíso eterno de paz e felicidade (retorno ao lar).

A união de cinco pães (cinco sentidos) e dois peixes (casal), na presença do Mestre (Jesus), geram a prosperidade do perdão (cinco mais dois = sete) setenta vezes sete (perdoar o próximo) e a prosperidade na oração (coração limpo), que alimenta cinco mil pessoas (palavra Pura).

Vetor SETE, agente transformador de Emoção em Unção (Retro Vírus das doenças do Corpo e da Alma), sinônimo de Vida Eterna.

Continue na presença de Deus
Ate breve...

São Paulo, 2 de março de 2006.

Olá, a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Neste novo dia na presença do Criador, com muita alegria, abrimos o coração para compartilhar convosco este privilégio de viajar para dentro de nós mesmos e vivenciar a plenitude do Espírito Santo em cada ser.

Contemplamos as situações de cada dia, interligados numa engenharia complexa para movimentar as sensibilidades numa posição de pureza, para adquirir sabedoria e discernimento para pilotar o livre arbítrio num trânsito caótico chamado "Vida num corpo material". Através de muitas formas de diálogos, recebemos diariamente uma onda poderosa de cultura espiritual expressa em forma de "Natureza".

A quantidade de canais de percepção é proporcional à Fonte Geradora, "infinita", e a nossa capacidade de conhece-la está concentrada numa nave chamada "Oração". Quando exercitamos o processo de falar pela fé para um mundo invisível e esperamos a resposta, conscientes de que ela virá para ampliar nossos horizontes de análises e visão espiritual, a velocidade de rotação num mesmo tempo chamada dia, ultrapassa a necessidade das 24 horas e toma proporções de eternidade.

O volume de vida e sua qualidade aumentam, pois não há mais a necessidade de "pilotar o avião, apenas ligá-lo ao "piloto automático"cuja leitura topografia do terreno à frente já se encontra em sua memória, com a prática dessa entrega de comandos, aumentamos o combustível chamado Fé, e assim esta viagem neste veículo chamado "Vida", se transforma num privilegio de aprender a pilotar um instrumento valiosíssimo chamado "Templo do Espírito Santo".

Descobrimos neste processo, uma constante transformação de paisagens, tanto interiores, quanto exteriores. Cada conceito adquirido se torna apenas uma referência para a página seguinte, ou seja, contemplamos a vida aprendendo com ela, mas conscientes da existência de um instrutor que mantém o equilíbrio entre guiar e ser guiado.

Observamos que o item mais saliente nesta viagem é o dinamismo do tempo, ou seja, ela nunca volta no plano físico, apenas no espiritual. Relacionamos com uma caminhada constante, sem barrancos para se apoiar, ela é individual e progressiva e sempre que apoiamos em alguém, objetos ou situações (idolatrias) em pouco tempo sofremos a necessidade da renúncia.

Verificamos também um processo interessante, as situações geralmente têm dois tempos, na primeira você observa a paisagem, na segunda você dirige a nave; numa terra de raposas primeiro caminhamos como ovelhas para discernir os corações, depois retornamos para semear em terra boa (corações puros). Quando caminhamos como menor, vislumbramos facilmente os preconceitos e a hipocrisia da caridade de auto -afirmação, contemplamos os corações com radares teleguiados e observamos o significado da "Arca de Noé".

Vida Longa é conviver com as diferenças sem preconceitos de idade, cultura, formação, poder financeiro, raça, credo religioso, mas respeitando sempre a liderança do poder indiferente da sua capacidade de exercê-la diante de nossa visão de análise, afinal nesse universo chamado "Vida", somos todos diferentes, mas unidos numa sabedoria chamada "Deus".

Com o tempo, aprendemos a comer somente o que é puro, e a plantar onde a terra é fértil. Na constante viagem de aprender a viver, vamos observando as palavras que saem de lábios puros (corações limpos), e os locais onde deixamos nossas amizades (pessoas sinceras), economizamos tempo, e multiplicamos os peixes.

Gostaria agora de meditar numa passagem da Bíblia Sagrada, em São Marcos 6.38, Jesus opera a primeira multiplicação de pães; Cinco pães e dois peixes saciaram cinco mil homens.Fazendo uma comparação com duas mãos (cinco dedos), observamos que a união de duas forças (casal) numa só cabeça (Jesus) geram filhos que prosperam (Amor do Espírito Santo), portanto a base da prosperidade é a união com humildade (aprender um com o outro) e fidelidade (santidade) para ofertar para o próximo o melhor (Amor de Jesus) e assim prosperar fazendo caridade.

Ate mais, que Deus lhe abençoe!
Sérgio Higa

São Paulo, 10 de fevereiro de 2006.

Olá! A paz do nosso Senhor Jesus Cristo!

Prezados amigos, irmãos; após aproximadamente 10 anos (fevereiro/ 1996) do início da caminhada pela fé, quando recebemos de Deus este projeto, tendo vivido várias etapas de forma pessoal, estamos apenas revelando alguns pontos para que possamos em conjunto aprender a extrair as bênçãos que este rio chamado "fluxo do amor em trânsito" contém em abundância para os que crêem.

No 1° estágio, codificamos felicidade como acúmulo de know how, que nos possa trazer situações de estabilidade física, social e emocional, vivendo numa postura de defesa e medos pela insegurança de não conseguir acrescentar novas informações e discernir aquelas que devemos abandonar.

"Crescemos" acumulando gorduras de técnicas de análises e perdemos a alegria da espontaneidade de apenas viver.

Nesse processo, supervalorizamos organizações macro sociais onde o poder e a dimensão são mais importantes do que a paz e o equilíbrio da individualidade.
Por haver uma deficiência de sinceridade, há uma necessidade de muitas amizades superficiais para o exercício do bem estar.

No 2° estágio ficamos felizes quando renunciamos águas paradas e o bote salva-vidas, e enfrentamos o desafio de aprender a nadar, conscientes dos perigos de uma natureza selvagem e enfrentando em cada desafio o gosto da água na pele, o exercício de viver a teoria da felicidade.
Ou seja, trabalhamos, guardamos dinheiro, compramos um sítio, aprendemos a pescar e agora, vamos aprender a nadar.

No 3° estágio, observamos que tudo é muito monótono e ostentador, então parado na varanda da casa de campo, ao lado dos carros novos, vendo as crianças brincarem na piscina, começamos a imaginar que tanto a lagoa quanto a piscina são muito pequenos para um mar.
Então entramos na dimensão do "participar" porque "ter" passa a ser impossível, e nessa dimensão coletiva, observamos que devemos renunciar o querer de forma pessoal e buscamos a integração sem perder a vocação pessoal.

Quando no primeiro estágio buscamos o 1° banco do poder, neste 3° buscamos o anonimato e o processo coletivo de ver o rio desaguar no mar.
Entramos na dimensão do viver num corpo físico sem peso que anda sobre as águas, sentindo a areia salgada que molha os pés andando sob a vida sem medo de perdê-la.

A vitamina que sustenta os músculos da fé para vencer esse obstáculo do medo de perder a vida e super valorizar a morte está no primeiro alimento que recebemos o leite materno, que vem na dose exata de um produto chamado, "amor de mãe", que faz da família a diretriz dos valores num processo de emancipação de sensibilidade, que nos dá segurança para caminhar na fé do amor do Pai ,criador do céu e da terra. 

Viver num corpo físico, se alimentando com um Pai Espiritual, nos faz andar sobre os problemas sem o peso de ser perfeito, mas descansando na mão da justiça do amor que nos segura e assim respiramos a brisa molhada da felicidade de levar a paz para a mãe família que nos alimentou (Natureza). 

Missões = pilotar uma nave de retorno, chamada vida pessoal, como testemunho de referência para rotas individuais, em direção ao coração do Criador.
Felicidade = paz = ausência de idolatrias.
Viver = tirar mágoas do coração para andar sobre o perdão.
Saúde = lavar o coração diariamente em oração no rio do amor de Deus.
Prosperidade = não precisar julgar, apenas contemplar.
Alegria = fazer o menor sorrir.
Poder = lutar para ser o menor.
Riqueza = fé para esperar a resposta da oração. 

Tudo parece muito utópico e demagogo, mas o resultado na prática é o que traz a convicção da existência desse "poder". 

Vamos colocar um exemplo: 

"Uma casa de família humilde, onde pais preocupados abrem a despensa e verificam que não há mais nada. Neste momento de angústia até a fé é abalada. Os filhos, observando, vão para o quarto, ajoelham e oram, pedindo ao Pai Espiritual (Deus) que os ajude. De repente, um carro pára na porta da casa e entrega o porta malas cheio de mantimentos e uma referência. 'Eu estava orando e Deus me mandou trazer tudo isso.'" 

Observamos uma explosão de transformações através da fé (um grão de mostarda) de crianças que gera reações que vamos chamar de "vetor 7". 

- 1° a fé das crianças aumenta, pois elas se emancipam e crêem na oração e no poder de Deus.
- 2° os pais se humilham diante da pureza da oração e reconhecem que a alegria é ter amor para com o próximo , pois assim ela retorna multiplicada.
- 3° a felicidade do missionário, pois conseguiu executar o plano de Deus com perfeição, estar pronto para qualquer situação, liberto da distância, ter abundância para ofertar, ter fé pra discernir que a voz é de Deus.
- 4° a família recebe valores importantes: na humildade ,a certeza que dependemos do amor do próximo, e na gratidão, a alegria de servir a Deus.
- 5° Com a gratidão inicia-se uma fonte d'água viva chamada louvor que é a oferta em adoração de tudo o que recebe diariamente com a paz de sentir a existência de um plano espiritual.
- 6° começa-se a grande viagem da família, saída do Egito (inteligência humana), atravessam o deserto (verificar a imperfeição de seus projetos) ,entram em Canaã (coração criança) e prosperam pela fé (crescer na sensibilidade para louvar com gratidão).
- 7° o sétimo vetor, representa o sétimo banho no rio Jordão de um general chamado Namã, leproso que foi curado quando se humilhou. Neste estágio vislumbramos o nascer do missionário que conseguiu ultrapassar os estágios para ter fé e coragem para sair de dentro de si, ofertar tudo a Deus (corpo, alma e espírito) e receber o aval do Criador (dons do espírito) e partir para as missões levando consigo apenas o know how do "vetor 7" multiplicação de bênçãos. 

Comparamos com a caminhada de um samurai. 

Primeiro como aprendiz, ele usa espada de madeira, depois é estimulado para o combate pela convicção de ideais para o próximo (defender as classes pobres do Japão num período de grandes perseguições com os menores, os lavradores). Enfrentava gigantes = Golias (sistema social/ econômico da época), tinha como arma sua força interior (fé), disciplina para controlar a si mesmo. Extraía o máximo de cada item do seu arsenal (vida), destreza física, mental e sensitiva, perfeição nos golpes (just in time), não desvalorizava seu oponente (humildade), não recuava (morria para viver), só faltava uma coisa. Ofertar tudo isso para a pureza dos corações (amor ágape), afiar a sinceridade na entrega a Deus para impedir que atravessadores venham usar esse poder. 

Observamos que é muito simples, entrar na freqüência do movimento das obras espirituais. Concentramos em apenas dois pontos: 

-1°: Reconhecer que há uma sabedoria dinâmica que renasce a cada dia e que somos incapazes de acompanha-la, pois estaremos sempre nadando sobre ela mesmo quando dormimos. Por isso "o temor do Senhor é o princípio da sabedoria". 

-2°: Abrir o coração para que ele possa se encher de uma vitamina chamada "caridade", dando instruções de como e a quem entregar através de seu poder e da fé que ele coloca em nossos corações quando nos apresentamos como canal para abençoar. "A ninguém deveis nada a não ser o amor de Cristo". 

Nestes dois pontos se encontra a prosperidade em todas as dimensões, espiritual, física e material. Quando você participa não precisa mais ter, basta saber usar, assim é o universo, a vida, as relações humanas, o nascer e o morrer. Tudo faz parte de um corpo só, e todos são peças importantes de um mesmo sistema, portanto é importante passar pela vida sem danificar nada ao redor, principalmente o coração do próximo. 

Portanto, prosperidade, é não precisar de nada para se sentir em paz, apenas a luta pessoal de limpar o próprio coração.

Até mais.
Que Deus lhes abençoe.